Diversidade cultural paulistana

marca-dagua
Dica da Semana
23 de janeiro de 2009
marca-dagua
TV Cultura lança programação na web
27 de janeiro de 2009
marca-dagua
Amigos.

Esse final de semana passei por experiências interessantes.
Para um planner como eu, que trabalha com PESSOAS nada melhor do que andar pelas ruas para ver GENTE, e de diversas formas, gostos, atitudes… é realmente uma das maiores experiências para um planner, afinal, quando se faz um planejamento estratégico de comunicação para uma marca, é necessário entender todo o comportamento das pessoas com as quais a marca quer interagir.

O que eu fiz não foi nada além de passear por 3 regiões de São Paulo. Geograficamente, elas são próximas, entretanto o tipo de pessoas que freqüentam esses lugares é bem diversificada.
A descrição que vou passar aqui, parece ate algo meio “básico” para algumas pessoas ou até mesmo outros podem falar: “putz, não tem nada demais isso”; mas ao pensar nisso com a cabeça de um planejador – aliás esse blog é feito de um planner para planners – começa a se entender.

Após o almoço, eu e minha esposa precisamos ir até ao Shopping Frei Caneca, pois estamos querendo comprar ingressos para a peça do Marcelo Medici (em tempo, vale a pena assistir). O shopping fica na região da Bela Vista, próxima a região da avenida Paulista, que por sinal é o local com a maior diversidade cultural da cidade – na minha opinião.

O shopping é conhecido como um reduto do público GLBT (se você tem algum preconceito com pessoas dessa “tribo” nem continue a ler esse post ou mude de profissão!! Com comunicação você jamais poderá trabalhar…). O público GLBT infelizmente ainda sofre muitos preconceitos, entretanto eles se sentem muito bem no shopping; não tem medo de se esconder. Ali se vê homens abraçados com homens ou gays sendo eles mesmos. Mesmos os vendedores de lojas. Se a sua marca trabalha com esse público, o shopping é um lugar interessante para pesquisas de campo.

Do shopping, resolvemos ir a Rua Oscar Freire; precisava ir na Nokia Store e fomos até lá. A rua é conhecida por ter as lojas mais caras de São Paulo e por isso, é freqüentada por pessoas com alto poder aquisitivo. Carros importados ali são freqüentes. Só Land Rover eu vi umas 10. Novos Corollas então perdi a conta.

Nessa rua é capaz de se analisar os novos ricos. Endinherados que gostam de ostentar o que possuem em suas contas correntes. Mulheres que param o carro no meio da rua, descem e vão ver uma loja, se achando as donas da rua, apenas por terem um New Beetle de cerca de 60 mil reais; mas é possível ver também que há muita gente endinherada simples, que passeiam nas ruas de calça jeans e camiseta (mesmo que esse conjunto seja de marca).

O interessante na Oscar Freire são as lojas conceito de diversas marcas, como Nokia, Havaianas (essa eu recomendo conhecer como experiência de marca), Nike, Adidas, Rebook, Timberland entre outras. Nessa região, é muito interessante para aqueles planejadores que trabalham com marcas de luxo. Pesquisas de campo ali são bem interessantes. É possível ver aqueles homens na faixa dos 40 anos, com camisa pólo por dentro da calça, óculos escuros, gel no cabelo e falando em BlackBerrys, iPhones… tem gosto para tudo.

Da Oscar Freire, minha esposa quis jantar em uma cantina tradicional, a qual vamos sempre que possível, chamada Montechiaro, bem no centro da Bela Vista. No centro de São Paulo; o centro que de 2ª a 6ª das 8h as 19h ferve! São advogados, médicos, administradores, publicitários, funcionários públicos, jornalistas, policiais entre outros profissionais andando de um lado para o outro, correndo, trabalhando, falando, conversando pelo celular, enfim, o centro de São Paulo é altamente movimentado. Durante os finais de semana 90% do movimento cai, mesmo que no centro ainda há lojas, shoppings, magazines e restaurantes abertos. Mesmo assim, é possível analisar as pessoas que por ali passam. São pessoas mais simples – e em muitos casos bem mais simples – do que as da Oscar Freire e até mesmo no Frei Caneca, onde mesmo com alta concentração do público GLBT tem um público classe AB também.

Enfim, esse sábado em apenas 6 horas eu tive a oportunidade de vivenciar 3 tipos de públicos totalmente diferentes, e o mais curioso: na mesma cidade, aliás na mesma região. Em cerca de alguns kilometros, São Paulo possui uma enorme divergência cultural.
Por isso, a minha dica como planejador é: Planejadores VÃO AS RUAS!!!

“Quer participar da festa de lançamento do meu livro: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DIGITAL, em Abril? Faça como muitas pessoas, mande um e-mail para felipemorais2309@gmail.com e se cadastre. Enviarei um convite com maior prazer”

Abraços
Felipe Morais

Felipe Morais
Felipe Morais
Publicitário, apaixonado por planejamento digital. Começou a carreira, em 2001, atuando como redator publicitário, passando, em 2003 para a área de planejamento digital, onde atua até hoje, sendo reconhecido como um dos grandes nomes do mercado no Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *