E agora Wikipédia?

marca-dagua
Como vender na Internet?
4 de agosto de 2008
marca-dagua
Nova operadora de celular em SP
6 de agosto de 2008
marca-dagua
Amigos

O Google querendo dominar a web, é uma frase que já virou pleonasmo.
A realidade para um futuro muito próximo é que nada do que vamos fazer na web não se passe pelo Google, sendo assim, o Google se tornará para a web o que o Windows é para o PC. Existem concorrentes, sim, mas o Google terá o monopólio.
Em vários outros posts, eu já falei sobre esse domínio. A cada lançamento do Google, eu “bato nessa tecla” e pelo menos para mim, cada um desses lançamentos só reforça a minha tese sobre esse domínio.

Lembro que assisti a um vídeo em um curso da WBI Brasil onde alguns futuristas diziam que em pouco tempo a web seria dominada pelo Google e pela Amazon, mas nesse contexto eu questiono que a Amazon só terá espaço caso o Google não invente de vender livros via e-commerce, pois quando esse gigante entra em um projeto, é para ser o líder mundial, e falando em novos projetos e liderança, quem está ameaçado é a Wikipedia, uma enciclopédia colaborativa que é um grande sucesso no mundo, a ponto de ajudar no crescimento da Web 2.0 e no surgimento de um novo verbete na web: Wikis que são utilizados para identificar um tipo específico de coleção de documentos em hipertexto ou software colaborativo usado para criá-lo, segundo definição da própria Wikipédia.

A Wikipedia do Google já tem um nome: Knol que concentrará artigos editados por especialistas com experiência comprovada na área, com sugestões de mudanças dos leitores. Knol é abreviação de “knowledge”, conhecimento em inglês.

Segundo o site IDGNow, “ainda que o conceito seja muito similar ao da Wikipedia, o Google afirmou que não quer competir com o site já estabelecido. O buscador afirmou que se focaria em destacar o autor que enviar artigos à página“.

Cada Knol terá um único autor ou grupo de autores cujos nomes aparecerão com suas contribuições, afirmou o Google em post no seu blog.

O Knol incluirá um novo conceito chamado de “colaboração moderada” pelo Google, onde qualquer leitor poderá fazer edições sugestionadas ao artigo, que o autor pode aceitar, rejeitar ou modificar para inclusão no site, também inclui várias ferramentas de comunidades que permite que usuários enviem comentários, classifiquem ou escrevam reviews sobre o conteúdo do Knol. O buscador permitirá que autores integrem publicidade e levem toda a receita advinda do material.

Ainda que os conteúdos publicados no Knol sejam descritos como “artigos sobre tópicos específicos, escritos por pessoas que conhecem aqueles assuntos”, um representante do Google afirmou que qualquer um pode escrever conteúdo no novo site: “O Google não terá conhecimento avançado do conteúdo publicado e não faremos qualquer avaliação editorial do material publicado pelos autores”, esclareceu em e-mail.

Segundo Felix Ximenes, diretor de comunicação do Google O princípio-chave por trás do Knol é a autoria. Cada knol terá um autor (ou um grupo de autores) que colocará seu nome por trás do conteúdo. É o knol dele, a voz dele. Não estamos tentando formar uma enciclopédia. Estamos montando uma coleção de unidades de conhecimento, ou “knols”, cada um dos quais contendo as tendências e opiniões de seus autores. Com o tempo, esperamos que muitos knols e seus autores sejam mencionados em publicações enciclopédicas. Também esperamos que existam múltiplos knols sobre o mesmo assunto. Com o Knol, estamos introduzindo um novo método para os autores trabalharem juntos no que chamamos “colaboração moderada.”

Além disto, o Google encorajará autores a usar seus nomes reais, sem, no entanto, exigir, afirmou. O buscador dará aos autores a habilidade de ter sua identidade por telefone ou processo de verificação de cartão de crédito. Artigos confirmados destes autores terão um selo “verificado”.

Eu acredito que esses esforços do Google em dominar a web só serão benéficos aos milhões de usuários, pois a marca presa pela gratuidade no acesso as informações, apostando em uma f´romula simples: Dê conteúdo gratuíto = Milhares de pessoas acessando o site X Anunciantes querendo estar nesses sites.

Por isso, que o Google revolucionou o mercado publicitário com os Links Patrocinados, algo que hoje desde marcas como McDonalds e Coca-Cola – que estão entre as mais valiosas do mundo – até a “padaria do Zezinho” investem pois sabem que o retorno é muito bom.

“Quer participar da festa de lançamento do meu livro: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DIGITAL, em outubro? Mande um e-mail para felipemorais2309@gmail.com e se cadastre.
Enviarei um convite com maior prazer”

Abraços
Felipe Morais

Felipe Morais
Felipe Morais
Publicitário, apaixonado por planejamento digital. Começou a carreira, em 2001, atuando como redator publicitário, passando, em 2003 para a área de planejamento digital, onde atua até hoje, sendo reconhecido como um dos grandes nomes do mercado no Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *