Fale com o internauta pela manhã

marca-dagua
Lucro da Net cai 62%!! Agora eles acordam?
10 de maio de 2010
marca-dagua
Dica da semana
14 de maio de 2010
marca-dagua
Amigos.

Em várias campanhas que eu participo há sempre uma discussão de qual a melhor hora de impactar o internauta. Sempre usamos os acessos do site da marca como uma das métricas para chegarmos a um conclusão lógica, entrentanto, essa não é a única métrica usada.

Dificilmente a equipe da agência tem tempo para pesquisar com os veículos os horários de maior acesso a determinadas peças, mesmo porque se você vai para um UOL ou TERRA o volume de acessos é tão gigantesco que, sinceramente, nem acredito que eles tenham essa preocupação, por isso, usamos alguns mantras de gurus ou professores para trilhar nossas ações.

Mas talvez, essas nossas possíveis dúvidas estejam com os dias contatos, segundo uma matéria publicada pelo site ADNEWS recentemente, onde um estudo da Eyeblaster -empresa de gerenciamento de campanhas online – onde mostra que o internauta está mais sucetível para receber e interagir com as campanhas online pela manhã.

Segundo o estudo, chamado de “A atenção do consumidor”, o consumidor gasta intencionalmente, em média, um minuto por dia com a publicidade online. O período da manhã é o melhor para atrair a atenção do internauta por meio dos anúncios, com pico às 9h.

Esse dado já começa a ser interessante para campanhas pontuais que necessitam de resultados rápidos, como varejo por exemplo, entretanto é na hora do almoço que a interação é menor em resultados de clicks, mas maior em tempo de duração.

O formato das peças, segundo o estudo, também influenciam no seu resultado, entretanto, essa pesquisa só vem ao encontro do que o mercado sempre defende de que banner tradicional não dá o resultado que o anunciante espera por ser uma peça que já virou “paisagem” (para usar um termo do mercado) há muito tempo!

De acordo com a pesquisa, as peças com vídeos conquistam quase o dobro da atenção do consumidor, 71 segundos contra 37 das peças sem vídeos. Quando se avalia o desempenho dos formatos de anúncios, o ranking é o seguinte: messenger ads (83 segundos), rich media (73 segundos), banner (59 segundos) e skycrapers (37 segundos).

Se pararmos para analisar que no Brasil o YouTube tem seus maiores acessos, é possível traçar um paralelo de comportamento do porque os anúncios com RichMedia dão mais resultados, entretanto em um país, em que há gestores de marketing que se “orgulham” de investir 15 milhões – ANO – na web e serem os “maiores compradores de mídia online” podemos entender porque não há tantas campanhas de RichMedia por ai, afinal, a produção de uma peça em RichMedia é muito maior do que um banner.

Um dia o Brasil sairá da miopia em relação ao potencial da web junto ao público-alvo, uma vez que se o consumidor está na web, porque o anunciante ainda não???

Dados da pesquisa:
O estudo foi realizado a partir de uma amostra isolada de 42 bilhões de interações nos diversos formatos, no mundo inteiro, entre setembro de 2008 e março deste ano. Segundo Carlos Medina (diretor da Eyeblaster no Brasil), esses dados são obtidos por meio da utilização do feature Dwell Time, métrica que proporciona a medição da interação dos consumidores com a publicidade digital e a duração desse contato.

Já está a venda o meu livro PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DIGITAL (Ed. Brasport). Adquira já o seu!

Participe da 1a rede para Planners Digitais do Brasil.

Abraços
Felipe Morais
@plannerfelipe

Felipe Morais
Felipe Morais
Publicitário, apaixonado por planejamento digital. Começou a carreira, em 2001, atuando como redator publicitário, passando, em 2003 para a área de planejamento digital, onde atua até hoje, sendo reconhecido como um dos grandes nomes do mercado no Brasil.

1 Comment

  1. Anônimo disse:

    Bom dia Felipe. Gostei da abordagem do assunto em si, mas, seus textos estão muito longos, isso cansa um pouco a leitura do leitor.
    Só consegue ler quem realmente vai estar procurando algo muito interessante sobre o assunto, outras pessoas nao vao se interessar.

    Agradeço desde já. Felipe Crisóstomo – Jornalista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *