Interesting – Grupo de Planejamento

marca-dagua
Julio Ribeiro – Marketing de Atitude
14 de novembro de 2015
marca-dagua
Planejamento deve ficar dentro da agência?
30 de novembro de 2015
marca-dagua
Amigos.

Dia 16/11 houve um dos evento muito bom do Grupo de Planejamento. Esse evento trouxe muita reflexão para os profissionais de planejamento do mercado. Muita reflexão mesmo. Ao meu ver, acredito que tenhamos que ter um evento desse por mês, ou pelo menos a cada dois meses, pois a reflexão faz parte da vida do profissional de planejamento.


Eu gostei do evento. Achei legal um profissional do alto nível do Pedro Cruz falando sobre Neurociência. Eu, já fã do meu amigo, Fernando Kimura que defende como poucos o Neuromarketing, que leio sobre isso há pelo menos 3 meses (livros com A Lógica do Consumo e Como influenciar a Mente do Consumidor) fiquei bem empolgado com grandes nomes defendendo esse termo enquanto alguns com ego lá em cima dizem ser “bobeira”. Ok, um dia a internet foi bobeira, o e-commerce, o aplicativo para celular…

Depois veio a Amanda e senti ali um grande jabá. Ficou meio fora de foco, mas a palestra era no Google que cedeu gratuitamente o espaço, os comes e bebes. Enfim, no final, o Walter Susini, um italiano maluco e genial deu porrada no mercado, porrada que merecemos. Me coloco no bolo, pois muita coisa do que ele falou, eu vi como defeito em mim, mas também vi que alguns caminhos e decisões foram tomadas acertadamente por mim. Enfim, seguem as minhas anotações.

Pedro Cruz – “Trustparency: construindo marcas naturais”
·       Mundo radical: 7 milhões de espiões, 7 milhões de interessados, 7 milhões de críticos
·       Não existe confiança entre marcas e pessoas. Existe uma gestão de risco e que nunca está terminada. Os profissionais de planejamento precisam fazer a gestão sempre pensando no bem da marca
·       A neurociência tem trazido estudos para o mercado para que possamos entender as verdades das marcas e como as pessoas as entendem
·       Processo de gestão entre pessoas e marcas. A nova construção das marcas passa por entender como o mundo está:
o   Empatia: Troca de papeis
§  Colocar-se no lugar do consumidor para melhorar a cultura
§  Life Paint Volvo (https://www.youtube.com/watch?v=oaLP4iGszLQ) é um exemplo. Uma marca que vende carros seguros, se preocupa com a segurança das pessoas
§  Marcas não ofendem as pessoas
§  Marcas olham o consumidor como seres humanos
o   Segurança: O que entrega X o que não entrega
o   Liberdade: Relações contemporâneas
·       Marcas estão muito perfeitas e prometendo muitas coisas, mas nem sempre as entregam
·       O mundo hoje é mais informado, por isso, mais cético com relação a essas promessas
·       O mundo digital encara de frente o mundo das marcas perfeitas, sabendo que elas não existem, ninguém mais acredita me falsas promessas e hoje, esse mundo da informação cada vez mais abundante e disponível achar mentiras é cada vez mais fácil
·       As marcas precisam do poder da vulnerabilidade
o   Sem vulnerabilidade não há verdade, não há conexão emocional
o   Consumidor também não é perfeito
o   O imperfeito pode ser divertido, pode trazer a verdade da marca a tona
o   O fim da perfeição pode construir muita coisa boa
o   As marcas estão preparadas?
o   Converse sobre as questões difíceis
·       Estão nascendo valores diferentes entre as pessoas
·       70% do brasileiro é empático
·       Segundo o povo brasileiro, 7,9% das marcas são empáticas


Amanda Sadi – “Videos e Entretenimento. Percepção versus realidade”
·       Youtube é um grande palco para a música
·       Youtube tem diversos estudos de tendências de consumo e novos hits em várias áreas de negócio como moda, educação, varejo, gastronomia entre outros
·       77 milhões de pessoas consomem música no Brasil
·       800 milhões de buscas no YouTube por música mensalmente, 50% é via Mobile
·       Transmissão ao vivo é coisa do passado, isso todos fazem
o   Estamos vivendo a era do 360o
o   Tomorrowland foi transmitido com tecnologia 360o
o   Isso traz imersão no dia a dia! Isso que o consumidor quer
·       Pessoas querem participar de todo o processo
·       Tecnologia permite conteúdos em outros ângulos
·       Clapme: Ferramenta para interação em pequenos lugares
·       O que o Google é para a busca, o YouTube é para a música
·       O grande segredo do YouTube é a proximidade, seja próximo do consumidor
·       Retrô é uma moda interessante, que não pode ser jogada de lado
Walter Susini – “ Planejamento Serve para Nada: ideias para essa função vão desaparecer em 5 anos”
·       O mercado acha que o planejamento:
o    faz PPT
o   Defende a criação
o   Está tanto ou mais obcecado pelos prêmios do que a criação
o   Generalista com causa
o   Atrapalha mais do que ajuda no processo criativo e de marcas
o   Viraram estrelas
o   Viciados em reuniões que nem sempre dão em alguma coisa


·       O que mais vemos hoje é o mundo indo rápido de mais, e o marketing lento
·       A execução é mais importante que a estratégia
o   A dica é nos apaixonarmos por isso e sermos mais práticos
·       Posicionamentos de marcas demoram de 9 a 10 meses, o mundo gira 7 vezes nesse período e muita coisa muda, as vezes, as marcas podem nem existir mais nesse período
·       A estratégia é commodities, todas já foram feitas
·       A estratégia está sendo definida muito longe da agência, são os consultores da McKinsey, por exemplo, e sua grande base de dados que conduzem a criação de estratégias, e não os planejamentos
·       A consistência é melhor que a originalidade
·       Informação é commoditie, a forma com a qual o planejamento trabalha com ela é que faz a diferença
·       Hoje o cliente tem as mesmas ou as vezes, até ,mais informações que as agências. No passado, a agência tinha o diferencial de ter a informação. Hoje não.
·       Focus groups. Planejamento parou de fazer isso por que acha que as informações estão no Google.
o   Em tempo, Jon Steel, o nosso grande mestre, defende irmos contra o Google-Planner
·       O mundo está atrás de especialistas. Não estamos mais indo, por exemplo, no médico ortopedista. Vamos no ortopedista especializado em joelho. Em breve, vamos no ortopedista, especializado em joelho esquerdo, de homens de 30 a 40 anos
·       Planejamento deveria ler mais. Muito mais.
o   Não ler apenas o Facebook
o   Leia livros
·       Planejamento tem a obrigação de saber sempre mais do que o seu cliente
o   Deixe ele sempre interessado em saber o que você sabe
o   Planejamento faz pesquisa, descobre o novo e apresenta
o   Cliente quer ver a inteligência do planejamento e não dados que ele já sabe
o   Aprenda a ler os dados e tirar insights e soluções
§  Dado por dado, qualquer estagiário faz
·       Resolva problemas. Planejamento é contratado para isso. Resolver problemas deveria ser o passo inicial para o planejamento. Hoje parece que foi esquecido
·       Resolver problemas é a essência do planejamento
·       4 coisas importantes para os profissionais de planejamento
o   Caçadores de mitos
§  Brand lovers não existem
§  Marcas crescem quando as pessoas as ouvem
§  Muita opinião. Pouco dado. Tem que ser o contrário
o   Seja especialista
o   Chegue no cliente, resolva o problema e vá embora. Resolva o problema!
o   Seja o motor do carro, conecte os pedaços do carro
§  Planejamento faz conexões



Quer se aprofundar mais sobre como ser um profissional de planejamento?
Clique abaixo e conheça os meus cursos e livros


Abraços
Felipe Morais
@plannerfelipe
facebook.com.br/plannerfelipe

Felipe Morais
Felipe Morais
Publicitário, apaixonado por planejamento digital. Começou a carreira, em 2001, atuando como redator publicitário, passando, em 2003 para a área de planejamento digital, onde atua até hoje, sendo reconhecido como um dos grandes nomes do mercado no Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *