Investir em 80% no online. Tendência ou se arriscar muito?

marca-dagua
Conhece o L.A.S.T? Ele pode fazer diferença no seu negócio
3 de julho de 2013
marca-dagua
Acabou a criatividade brasileira?
23 de julho de 2013
marca-dagua

Amigos

O site Mundo do Marketing publicou uma matéria sobre a FaculdadeGetúlio Vargas (FGV), umas das maiores e mais importantes do país sobre o investimento feito pela FGV em propaganda, dedicando 80% da sua verba em propaganda digital, o foco é o vestibular da faculdade. Em um primeiro essa matéria é fantástica, mas vamos analisar melhor esses números.

Segundo a matéria, a FGV fez uma ação em 2011 onde cerca de 37% do investimento foi para a web, 28% para a TV e 35% para impressos, já há 2 anos atrás, o investimento no online já era não apenas o maior da universidade, mas também, um investimento bem maior se analisado com o mercado, que investe em média 10% da sua verba de propaganda no online. As Redes Sociais, naquela época, já demonstrava mais resultados de conversão do que as outras mídias.

Esse sucesso não é algo muito novo, uma vez, que o vestibular da graduação da FGV visa atingir jovens de 17 a 20 anos, Classe A (uma vez que normalmente os pais pagam a mensalidade que gira em torno de 2,5 mil reais) e segundo diversas pesquisas, o jovens estão mais na web e celular do que na TV, a FGV então decidiu criar uma Fan Page (com mais de 196 mil fãs no momento que escrevo esse artigo) sobre o vestibular, altamente focada, e realocar a verba de TV para a web, assim, potencializou a internet como canal de mídia, ampliando os resultados do vestibular. Ao final, 130% a mais de acesso e 19% a mais de inscrições no vestibular. Ao meu ver, uma ação de sucesso.

Sou o primeiro a defender que a comunicação é 360º e que por isso não devemos colocar todos os ovos na mesma cesta, ou seja, não é investir única e exclusivamente no mesmo canal, mas de acordo com o seu público, dedicar uma parte maior da verba em um canal do que no outro, ai sim, isso é bem interessante. No caso da FGV também, é preciso avaliar que com o dinheiro revertido da TV para o online, o potencial de segmentação foi muito maior, assim, a marca conseguiu falar com quem deveria falar, outro fator positivo é que a mídia da web é mais barata que na TV, ou seja, se consegue impactar mais pessoas gastando as vezes menos.


Como profissional de planejamento, é interessante ver como esse case se preocupou em analisar 2 fatores: métricas de campanhas e perfil de público, não apenas “ambos 17 a 20 anos, classe A de São Paulo” mas entender o quanto o jovem se preocupa em buscar informações na web antes de tomar uma decisão, porém, é difícil se aprofundar nessa análise case, uma vez que eu não estava dentro do processo, mas pela minha humilde opinião é um case muito interessante de analisar!

Já está no ar o meu curso PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DIGITAL em parceria com o portal iMasters. Clique aqui e adquira já o seu

Abraços
Felipe Morais
@plannerfelipe
Felipe Morais
Felipe Morais
Publicitário, apaixonado por planejamento digital. Começou a carreira, em 2001, atuando como redator publicitário, passando, em 2003 para a área de planejamento digital, onde atua até hoje, sendo reconhecido como um dos grandes nomes do mercado no Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *