Quanto vale fazer um MBA?

marca-dagua
O que esperar de um profissional de planejamento?
14 de outubro de 2015
marca-dagua
Julio Ribeiro – Marketing de Atitude
14 de novembro de 2015
marca-dagua
Amigos.
Aos que me seguem sabem que eu sou professor de Planejamento Estratégico Digital, E-commerce e Comportamento de Consumo em alguns MBAs voltados ao marketing digital, sendo o principal, o da Faculdade Impacta de Tecnologia, onde, ao lado meu meu grande amigo Euripedes Magalhães, coordeno desde 2010. E hoje, vou escrever aqui algo que estou falando aos alunos há algum tempo.
Pode parecer contraditório o que eu vou falar, mas ao ler o texto até o final, talvez você me dê razão. Aliás, sendo contra ou a favor, eu quero ouvir a sua opinião. Não se sinta envergonhando, pode comentar lá no final!
Fazer um MBA na nossa área – marketing e comunicação digital – não quer dizer nada! Pois é, como assim um professor e coordenador de MBA dizendo algo que vai contra a sua profissão? Contraditório, mas explico.
O fato de você estar em sala de aula não significa nada. Você pode estar em sala de aula apenas por estar, e acredite, a maioria tem esse perfil. Estar em sala de aula, mas pensando no final de semana, mexendo no Facebook ou até mesmo trabalhando durante a aula, seja responder e-mail, ler relatório ou qualquer outra coisa, não faz de você um aluno, faz de você uma pessoa em sala de aula. E acredite, isso faz muita diferença.
Entrar em uma sala de aula, para fazer revolução, é outro papel que não vai lhe ajudar em nada. Ao longo dos cursos, da sua jornada no trabalho, na vida, é natural que o ser humano se junte com pessoas que eles tenham uma afinidade, por isso, são formados pequenos grupos. Não tem como mudar, isso sempre aconteceu e sempre vai acontecer. Desde a sua época de maternal foi assim. A sociedade se divide em pequenos grupos por interesse comum. Aceite isso. Com isso, haverá os grupos que entregam mais em sala de aula do que outros, se dedicam mais que outros. 
Se juntar aos revolucionários que falam na sala, mas na frente do professor ou coordenador não tem peito para reclamar, fará de você uma pessoa que o mercado não quer, pois as suas atitudes em sala de aula refletem no mercado. Todos percebem. Ninguém é um em casa, um no trabalho, um na sala de aula. Somos a mesma pessoa.
Há alunos que se valorizam por terem se formado no bar da faculdade, parabéns, outros se valorizam por ter se formado lendo, estudando, indo além do que o professor passou. Esses, sinceramente, estão melhores posicionados no mercado e ganhando mais. Acredite. Não ache que Abílio Diniz, Nizan Guanaes, Mark Zuckerberg, Larry Page ou mesmo o diretor de marketing do seu cliente (ou seu chefe) chegaram aonde chegaram fazendo bagunça em sala de aula ou matando aula para sentar no bar com amigos. Vez ou outra, com certeza, é bom, mas não sempre. E tenham certeza, se dedicaram mais do que os outros na sua sala.
Como sabem sou São Paulino, e gostando ou não do Rogério Ceni, ele é um exemplo de profissionalismo. Independentemente de time. Todos sabem, que um diferencial do Rogério é bater faltas, são mais de 120 gols na carreira entre faltas e penaltis. Em Fevereiro de 1997, Rogério fez seu primeiro gol de falta. Que legal, a gente enxerga isso,  mas não enxerga que ele treinou muito e bateu mais de 15 mil faltas antes de fazer seu primeiro gol. Você quer mesmo ter sucesso na profissão sem estudar, se dedicar, ralar, entrega além e ir além do que o professor passa em sala de aula?
Bem, na pós o lema é: “o curso é 50% a 50%”. Todos sabem disso no 1o dia de aula e repetimos ao longo dos 18 meses. No primeiro dia, todos entendem, mas no último poucos levam isso a sério. Quem leva a sério está com destaque no mercado. Quem não, ou saiu do curso ou está na mesma. Ficar esperando que o professor entregue tudo de “mão beijada”é achar que ainda está no primário. 
Em época de Google, Facebook, Blogs, sites segmentados, E-books, YouTube, eventos online ou presenciais de graça, maior quantidade de livros, podcast, videocast com profissionais do mercado, e-mail (onde você pode entrar em contato com qualquer pessoa), Linkedin, não estudar é uma desculpa esfarrapada. Precisamos dedicar menos tempo a piada do WhatsApp e mais ao podcast do Brainstorm9, por exemplo. Gratuito, pode ouvir no trânsito, no metro, no carro, no ônibus e até no intervalo da aula. Mas não na aula!
Fazer um MBA na nossa área não serve para nada, se você não aproveitar. Se não entregar. Se não for além do que o professor passar. Se não discutir. Sempre digo aos alunos, que por eles terem o calendário do curso do ano todo, desde 1o de Fevereiro, eles não tem desculpa para não se preparar para a sala de aula. Estude o professor, a matéria e o mercado. Chegue preparado para discutir.
Professor que não gosta de aluno que discute com ele em sala de aula, está atrasado. Eles precisam gostar e estimular. Teoria 50% a 50%, lembra? O professor tem que chegar em sala preparado, sabendo do que está acontecendo hoje. Esquece de 6 meses atrás, passou, vamos ao hoje. Amazon lança loja física hoje e quem for dar aula de varejo ou e-commerce precisa discutir com os alunos, que também precisam chegar na sala sabendo do assunto.
Em resumo, ter um MBA não servirá para nada se você não entregar. Tenho excelentes alunos que se eu perguntar, nem 10% dos chefes deles sabem que eles fazem um MBA, mas estão crescendo pois estão aproveitando. É preciso aprender um dia e usar o aprendizado no dia seguinte. É preciso ir além. Estudar, ler, correr atrás da informação. Escutar atentamente o que o professor fala, discutir com ele e sala. 
Uma aluna me disse uma vez “MBA é um lugar que você paga, para dentro de uma sala de aula, fazer network”– mas não network apenas para novos amigos, para negócios, para sair da sala de aula com a cabeça girando de tanta ideia e informação. Quem traz a informação se diferencia, os alunos olham, os professores olham, o mercado entende. Quem não, fica na mesma, não cresce nunca e pior, coloca a culpa no curso. Fica desmotivado, vai para a aula arrastado só porque quer o diploma, que repito, não serve para nada se você não entregar.
Falta, nota e o PPT não são as coisas mais importantes do seu curso. Aliás, são as menos importantes. O conhecimento, o network, a chance de debater com pessoas que fazem a diferença no mercado. Isso vale! Imagina como deve ser excelente alunos do Romeo Busarello que tem 4h semanais para debater com ele sobre marketing digital. Eu tenho, as vezes, 15 a 20 minutos e já fico encantando…
E no final, não tem jeito, o TCC é um resumo dos 18 meses da sua contribuição para o curso. E ele é um alerta, pois quem não entrega, quem fica na mesma, quem não sai da zona de conforto, não cresce e como sempre digo:
O MERCADO PUNE
Nunca se esqueça disso!
Estão no ar meus cursos:
Mais de 2 mil alunos altamente satisfeitos!
O livro PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DIGITAL (Ed Saraiva) você encontra nas versões impressa e digital no site da Saraiva. Clique aqui e compre o seu agora mesmo
Abraços
Felipe Morais
@plannerfelipe
facebook.com/plannerfelipe
Felipe Morais
Felipe Morais
Publicitário, apaixonado por planejamento digital. Começou a carreira, em 2001, atuando como redator publicitário, passando, em 2003 para a área de planejamento digital, onde atua até hoje, sendo reconhecido como um dos grandes nomes do mercado no Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *