Quem assiste vídeo online?

marca-dagua
Pós Graduação em Marketing Digital em São Paulo
17 de agosto de 2010
marca-dagua
Mudança no comportamento do consumidor
20 de agosto de 2010
marca-dagua
Amigos.

Até onde uma brincadeira de adolescentes pode mudar um comportamento do mundo?
Bom, quando 2 alunos decidiram organizar a biblioteca de uma faculdade, criaram um sistema que anos depois seria conhecido pelo nome de Google, uma das maiores revoluções na comunicação digital em todo o planeta.

Quando um grupo de amigos gravou um vídeo de um churrasco e queriam passar aos amigos, mas não conseguiam porque o vídeo era muito pesado para enviar por e-mail, decidiram subir o vídeo em um site e enviar o link, surgia ai o YouTube.

O YouTube foi um dos sites que revolucionaram a comunicação digital, principalmente porque ao lado dos Blogs foi um dos sites que deram um poder nunca antes dado ao usuário, o poder da geração de conteúdo!

Com o crescimento dos celulares com câmera e da queda de preço das máquinas digitais (que fotografam e filmam) ou mesmo com a compra de uma máquina em 24X de R$ 10,00 (o que chamo de Efeito Casas Bahia) qualquer pessoa com um mínimo do mínimo conhecimento de internet consegue fazer um vídeo e subir – de graça – para o YouTube.

Pronto, homens e mulheres vivos na face da terra de 5 a 90 anos, que acessam a web ao menos uma vez ao mês se tornou um produtor de conteúdo!

E para quem ele vai produzir esse conteúdo? Para mim, para você, para o mundo!
Ou mais ainda, ele vai publicar para 60% da web brasileira, pois segundo estudos do Alexa e Digital Age 2010.

Segundo o Alexa, apenas Buscas e Orkut estão na frente de vídeos online nos acessos do brasileiro, como sabemos que o Google tem 90% das buscas no Brasil, assim como o YouTube também é o “rei” das visualizações de vídeo, é correto afirmar que para o Google, o Brasil é um pais importantíssimo!

Em relação ao mundo, o Brasil é o 6o pais que mais acessa o YouTube no mundo; o perfil do brasileiro – segundo pesquisa apresentada no Digital Age, é formado mais por jovens.

Dentro das pessoas que assistem vídeos, 96% assistem de curta duração, sendo o YouTube o principal canal, mas há visitas em outros sites de notícias que possuem vídeos e são bem acessados também, como o caso do UOL, por exemplo.

Segundo a pesquisa, os picos de audiência, são das 22h às 1h, o que na minha opinião, são momentos em que o usuário está em casa, mais “relaxado” e mais aberto ao entretenimento, mesmo assim a publicidade em vídeos foi estudada, onde os internautas não rejeitam a publicidade no vídeo, desde que essa seja relacionada ao vídeo, o que abre uma grande possibilidade para as marcas, mesmo que 47% não lembre da marca que viu no vídeo online, o que mostra que o usuário assiste, gosta da propaganda mas se não for relevante ele não lembra.

Esse dado mostra que na web não basta apenas colocar o logo na tela, é preciso ser criativo!

Para 56% dos entrevistados, a principal motivação para um internauta assistir um vídeo online é a disponibilidade na web a qualquer momento. Outro dado é que 44% das pessoas que viram um vídeo online, assistiram outros relacionados logo em seguida, 37% leram comentários e 34% recomendaram aos amigos.

Vídeos online são grandes armas para relacionamento com o usuário, interação e amostra de produtos.

Já está a venda o meu livro PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DIGITAL (Ed Brasport). Aquira já o seu!

Participe da 1a rede para Planners Digitais

Abraços
Felipe Morais
@plannerfelipe

Felipe Morais
Felipe Morais
Publicitário, apaixonado por planejamento digital. Começou a carreira, em 2001, atuando como redator publicitário, passando, em 2003 para a área de planejamento digital, onde atua até hoje, sendo reconhecido como um dos grandes nomes do mercado no Brasil.

1 Comment

  1. Muito bom ter acesso a esse tipo de dados. às vezes me questiono se vale a pena ter vídeos na estratégia de mídia online por não ter certeza se o target realmente consome este conteúdo. Você teria o link desta pesquisa?

    Obrigado e parabéns pelo blog!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *