Top de Planejamento 2015 – Parte II

marca-dagua
Top Planejamento 2015 – Parte I
24 de junho de 2015
marca-dagua
Internet das coisas
31 de julho de 2015
marca-dagua

Amigos

Dando continuidade ao post de ontem…


Data Science – Carlos Borges 

  • Internet das coisas é uma grande realidade
  • Mashable: Começou como um pequeno site. Velocity é uma ferramenta do site para entender tendências de conteúdo, um grande case como um site consegue crescer com conteúdo
  • Buzzfeed: Começa a se aproximar dos clientes com produção de vídeos sem as agências. Veículos se reinventando X incapacidade das agências em não produzir conteúdos relevantes
  • Netflix: Foco no teste A/B e desenvolvimento da plataforma com base no comportamento de consumo. Sai de loja física que alugava DVD para um dos maiores distribuidores de conteúdo do mundo
  • A tecnologia em parceria com a mídia tem grandes ganhos
  • Não há mais funil de conversão. O consumidor multicanal, multiconectado está tomando a decisão em diversos canais. A decisão de compra não é mais linear, o consumidor quer novas experiências.
  • Modelo de atribuição: uma mídia ajuda a outra, a campanha do Google ajuda na performance do display no portal, que por sua vez é beneficiado pelo email marketing
  • Tecnologia é execução, não é uma ideia, ela é o meio para executar uma ideia
  • Estamos errando no ponto de saturação da mídia na TV, chega uma hora que é preciso investir mais na TV para impactar. Esse dinheiro melhor distribuído em diversos canais gera mais impacto e mais eficiência
  • Google e Facebook apresentam estudos para otimizar o investimento digital, campanhas online com estudo de marketing mix. Armas para usar nas estratégias digitais
  • Hoje há possibilidades de ir além do que as pessoas falam. Netflix: conteúdo que acessa, comportamento de navegação, teste de funcionalidades customizadas. Consumidor não sabe que está sendo testado, mas está o dia todo sendo analisado. Esses movimentos constroem o Big Data que faz a diferença no relacionamento do consumidor com a marca
  • Teste de usabilidade em tempo real, tanto no online como em lojas físicas. Melhorando a experiência sem necessidade de muitas perguntas
  • Tecnologia não é tendência, é pendência!!!
  • O profissional de BI deve ser um grande parceiro do planejamento. Não há como entender a cabeça do consumidor sem dados
  • O que o consumidor faz é mais importante do que ele fala. Pesquise os caminhos em tempo real que seja no on e off


A construção da marca Hyundai. Um olhar para o futuro – Rodrigo Cerveira

  • O amanhã é daqui a pouco
  • 2004 a Hyundai era a marca mais rejeitada do mercado. Deixou o país por 2 vezes. Carro perdeu muito valor. Marca barata não tinha percepção de valor
  • Tucson foi a grande mudança. Reconstrução de marca se baseou em produtos de alto valor. Propaganda não podia ser a tradicional. Era preciso falar de fora para dentro. Trazer credibilidade de fora. Pensado em 2 etapas de comunicação, era preciso ser mais tático, falar mais com o publico certo. Era preciso construir reputação de marca
  • 1ª Etapa da comunicação – Endosso de produto: 5 anos de garantia, fatos para gerar credibilidade, prêmios internacionais, pesquisas e comunicação apoiada em fatos 
  • 2ª Etapa da comunicação – Consistência de mídia: Frequência/exaustão da mensagem, placement e afinidade com o target
  • A Z+, agencia da marca, participa da estratégia de marketing e produto junto com o time de marketing do cliente
  • Não foi da noite para o dia, Em 2008 a Hyundai começou a apostar mais na mídia, pois a marca já tinha credibilidade e a percepção da marca via fatos já estava estabilizada
  • Hyundai apostou na comparação com marcas clássicas como Audi/Mercedes-benz/BMW e colocou preço para gerar a dúvida no consumidor. Essa curiosidade gerou visitas nas lojas
  • Ferreira Martins é a voz oficial da marca no Brasil. Essa conexão voz e marca produz uma experiência sensorial
  • HB20, a marca tinha baixa familiaridade com o público, VW, Ford, GM, Renault e Peugeot tinha mais afinidade com carros populares. Trabalho de conteúdo relevante nas Redes Sociais para construir marca e gerar engajamento
  • Carro lançado sem estar a venda. O site www.hb20.com.br assinava a campanha, gerou mais de 100 mil cadastros de potenciais compradores do carro. A linguagem é mais jovem, mas valoriza a experiência, atributos e design
  • Convite para fãs conhecerem as campanhas 24h antes de ir para o ar. Teste de aceitação
  • UGC = Chamou consumidores para contar verdadeiras histórias sobre o produto. As pessoas faziam do seu próprio smartphone ou webcam os vídeos. No site era divididos por campos de duvidas, valor de revenda, valor de manutenção, opcionais do produto e performance. Mais do que a marca vender o carro, seus consumidores vendiam o produto via internet
  • Series especiais dos carros mostram sempre novidade e mostram que a marca se preocupa com inovação
  • Zipcar. Aluga carro para curtas distancias

O comportamento de quem compra carro segundo a Citroen


Curso Planejamento Estratégico Digital
Curso Estratégias de Marketing para e-commerce

Abraços
Felipe Morais
@plannerfelipe
www.facebook.com/plannerfelipe

Felipe Morais
Felipe Morais
Publicitário, apaixonado por planejamento digital. Começou a carreira, em 2001, atuando como redator publicitário, passando, em 2003 para a área de planejamento digital, onde atua até hoje, sendo reconhecido como um dos grandes nomes do mercado no Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *