Top Planejamento – Parte II

marca-dagua
Top Planejamento – Parte I
23 de fevereiro de 2011
marca-dagua
Se a inveja matasse…
27 de fevereiro de 2011
marca-dagua
Amigos.

Segue a 2a e última parte do evento Top de Planejamento 2011

Palestra Mari Zampol: Para onde você olha?
• O planejamento está sempre pensando em como surpreender o cliente: como melhorar a entrega, a ação, os resultados?
• “Só se liberta quem muda a direção do olhar”
• Planners buscam novos caminhos para construir uma marca
• Vivemos a sociedade do conhecimento
• O ser humano está recebendo muita informação ao mesmo tempo. Nunca se escreveu tanto. Nunca as informações estavam tão disponíveis
• Pessoas tem necessidade de realização
• As marcas estão trabalhando com estímulos
• As vezes as pessoas veem tanto alguma coisa que não conseguem dizer o se aquilo é bom ou ruim. Simplesmente vivem. Cabe ao planner estimular que o usuário diga a marca o que desejam
• Planners devem viver a vida do target para conseguir traçar uma estratégia de relacionamento entre marcas e consumidores
• Nada está pronto. Desconfie
Aprenda, discuta, entenda, veja novas culturas
• Cultura de convergência
Construir histórias que ganham vida em diversos meios
Demanda da inovação pode vir de qualquer lugar, como o Will.I.am na Intel
• Nada surpreende
É muito acesso a informação
Quando algo nos supreende damos a sensação as pessoas que somos desconectados, desatualizados
• Ameaça do labirinto: Muitos planejamentos com muitas informações, muitas tendências mas sem links entre elas. Planejamento é ter foco.
• Informação não é a solução. É o começo e o contorno da história; histórias que o planejamento devem contar.
• O planejamento deve buscar a emoção que ativa a surpresa nas pessoas
• Posicionamento de marca é algo altamente importante. A Talent dá muita atenção a esse dado, tanto que muitas das suas marcas tem o mesmo posicionamento há anos.
“É preciso olhar o planejamento com sensibilidade para achar os problemas e as soluções dos clientes. Intuição é a parte mágica do planejamento e essa mágica pode estar em qualquer lugar” – Julio Ribeiro.
• Pesquisas qualitativas estão abrindo para a criatividade dos pesquisados. Usando a co-criação para dar insights ao planejamento e criação.
• A promessa do planejamento não pode ser vazia ou soar falsa. É preciso entender a promessa de marca e o que o consumidor deseja
• Planner vivem! Vivem experiências, vivem a vida do consumidor
• Momentos mágicos são os momentos de transformação
• Mesmo conceitos muito usados ou “batidos” se falados de outra forma podem ser relevantes. Todo o banco trabalha junto com seus clientes, mas o Santander se apropriou desse posicionamento e está crescendo muito.

Palestra José Renato: Mobile Marketing
• Mobile X Portatil: O celular é mobile pois você pode usar enquanto se locomove. O Notebook não.
• Uma pessoa olha em média 150 vezes por dia para o seu celular
• 50% da população mundial tem um aparelho de celular
• Segundo o Mashable (Dez/2010), 40% dos tweets são enviados por disponíveis móveis
• Celular não é mídia. É uma plataforma de:
Comunicação
Entretenimento
Organizador pessoal
Media Center
Pagamentos
• Tendência para mobile são aplicativos de aproximação, onde o usuário aproxima o aparelho em um dispositivo que gere alguma ação.

Já está a venda o meu livro PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DIGITAL (Ed Brasport); Adquira já o seu

Abraços
Felipe Morais
@plannerfelipe

Felipe Morais
Felipe Morais
Publicitário, apaixonado por planejamento digital. Começou a carreira, em 2001, atuando como redator publicitário, passando, em 2003 para a área de planejamento digital, onde atua até hoje, sendo reconhecido como um dos grandes nomes do mercado no Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *