Inbound marketing como estratégia

agencia-precisa-agradar-o-cfo
Agência precisa agradar o CFO
17 de maio de 2021
informacao-nao-e-conhecimento
Informação não é conhecimento
28 de maio de 2021
inbound-marketing-como -estrategia

Inbound marketing como estratégia é fundamental para uma boa presença digital de marca, entretanto, para quem acredita que inbound marketing é apenas criar uma landing page para baixar um e-book, está redondamente enganado, é como achar que Redes Sociais são apenas vendas.

Segundo a HubSpot, “inbound marketing é criar relacionamentos individualizados que causem impactos duradouros com quem se deseja relacionar com as marcas”. Vamos fazer uma breve reflexão. Quando que um e-book com um assunto abrangente – tem que ser assim – pode ser um canal de relacionamento individual? Quando um email automático de agradecimento pode ser uma relação um a um? Quando um texto “Formula do Lançamento” de “olá, analisamos a sua empresa e entendemos ter uma conexão…” sendo que a pessoa baixou o e-book usando seu Gmail? Só se o “formuleiro” achar que a pessoa trabalha no Google, né?

Para criar uma boa ação inbound marketing é trabalhar o funil de conversão, com o mesmo peso e esforços em cada etapa.Inbound marketing como estratégia, precisa passar por pensamentos e pesquisas. É preciso saber que uma estratégia eficiente passa por atrair, engajar e encantar. E repetir constantemente. Esse funil está inteiramente ligado a jornada do consumidor, onde ele passa por:

Conhecimento

Momento em que o consumidor conhece a marca ou produto. Nesse momento o e-book acima mencionado se faz muito importante, mas um site é mais ainda. O site é sempre o “Porto Seguro” do usuário é lá que ele vai realmente decidir sobre uma compra, sendo fundamental para os próximos passos, como consideração e tomada de decisão, que veremos a seguir.

Consideração

Momento em que o consumidor está analisando marcas e produtos similares. Ele entrou no seu site, mas também na concorrência e sites multimarcas. Ele já viu seu produto, seja pesquisando no Google, seja impactado por uma campanha no Instagram ou Facebook, ou até, um comentário positivo no Twitter. O consumidor vai analisar preço, qualidade e reviews. E não ache que ele fará isso apenas em compras de grande valor como um carro, viagem ou apartamento, ele fará isso com um restaurante para ir com a esposa, com uma lapiseira para um novo trabalho ou mesmo uma calça jeans para uma festa.

Tomada de decisão

Finalmente, ele vai comprar. Esse é o momento mais esperado. Quanto melhor for a experiência, mais fácil a decisão ser na sua marca. Experiência não é apenas o e-book, é um site com conteúdo, é um chatbot competente que responde o que ele precisa, é um produto de qualidade, são boas recomendações no site e nas Redes Sociais, é o preço, é a logística de entrega e principalmente, é a confiança do consumidor de que aquele produto realmente resolve o seu problema. Inbound marketing como estratégia ajuda nessa tomada de decisão.

Buyer Persona: Quem é esse consumidor?

Inbound marketing como estratégia tem como foco entender pessoas.
No momento acima citei muito sobre consumidor, mas quem é ele realmente? Esse é o primeiro passo para qualquer ação de marketing. Partimos do princípio de que as marcas sabem quem são seus consumidores, ou seja, sabe o perfil de quem compra seus produtos, ao menos é o que aprendemos na faculdade, mas na prática, infelizmente não é bem assim. Cada vez mais, me deparo com profissionais de marketing que não tem a menor ideia de quem compra seu produto, mas temos 2 momentos para analisar isso.

Produto de massa

Qual o perfil do consumidor da Coca-Cola? Da Chevrolet? Da Bic? Difícil achar um perfil quando o produto tem vários perfis. A Coca-Cola, por exemplo, é o considerada o produto mais sociável do mundo. Jeff Bezos, Elon Musk, Bill Gates, os homens mais ricos do mundo, tomam a mesma Coca-Cola que eu e você. A Chevrolet tem carros que vão de 50 a 300 mil reais.

A Bic pode ser usada pelo estagiário ao presidente da empresa. Produtos assim, a estratégia é fortalecer marca e não consumidor, pois é complicado definir um perfil que pode ir de 8 a 80, classe ABCDE, homens, mulheres e pertencentes a comunidade LGBT.

Produtos nicho

Na moda é mais fácil ver isso. A VR Collezione tem um perfil de homens que compram seu produto, afinal, é um produto caro para um executivo. A Gucci, tem o mesmo posicionamento, mas para a mulher, que a VR, são roupas de muita qualidade, caras e com uma marca de peso. Fica mais simples definir as Buyers Personas nesse momento.

Inbound marketing como estratégia é entender se seu produto é nicho, qual mercado atua e para quem vende, ou ele é de massa e passa pelas mesmas perguntas.

Como chegar a Buyer Persona?

Coloquei os exemplos acima para mostrar que construir a Buyer Persona é preciso, primeiro, ter a visão do marketing do cliente de quem ela é. Pesquisas online, estudos de Analytics de site e Redes Sociais, pesquisas de Focus Group, questionários por email e Redes Sociais podem dar uma ideia melhor do perfil, e nem sempre os custos são altos. Algumas empresas contratam empresas de pesquisa para entender a fundo o, ou os, perfil(s) de consumidor que poderá dar um norte maior da Buyer Persona, mas se você não tem verba para isso, Analytics, pesquisas online nos canais digitais e base de email, são pesquisas excelentes com o custo zero.

Definido isso, é preciso criar o funil, como dissemos acima, pensando nos 3 passos fundamentais: conhecimento, consideração e tomada de decisão, para ai sim, dar o próximo passo, o conteúdo.

Marketing de conteúdo

Antes de começar a ler esse tópico, quero saber se você já leu o livro Marketing de Conteúdo do meu querido amigo e grande referência Rafael Rez. Se você o segue no Instagram e se acessa a Nova Escola de Marketing. Se sim, parabéns, se não, olha, você está perdendo aulas de conteúdo diárias com a maior referência no assunto.

Conteúdo tem que seguir a palavra que eu mais amo no marketing: planejamento. Não é sair por ai fazendo qualquer coisa, escrevendo qualquer artigo, criando qualquer post. Conteúdo é o que move a internet, mas sem planejamento será muito gasto à toa, e atualmente, ninguém está jogando dinheiro fora, não é mesmo?

Comece criando uma lista de palavras-chave. Será o seu norte para o que escrever. Dentro desse universo de palavras, se começa a desdobrar textos para as plataformas, como Blog, Redes Sociais, e-mail marketing, newsletter e site.

Depois, reveja a sua Buyer Persona e veja como encantar com seu conteúdo, que não precisa ser apenas em texto, é preciso trabalhar além, com vídeo, infográfico, ilustração, animação e fotos muito bem trabalhadas. Sugiro ver o Instagram da MontBlanc, minha marca favorita, para ver o que eles fazem. Uma referência para mim, sempre.

Por fim, defina metas alcançáveis. Tenha um objetivo claro. Planejamentos começam com objetivos claros e diretos, do contrário, ele é apenas uma apresentação bonita.

Inbound marketing como estratégia

Escreva no seu blog. Com constância. Sabemos que casa de ferreiro, espeto de pau é o ditado mais dito no universo das agências. Muitas delas terceirizam suas ações com outros parceiros por não ter tempo. Eu mesmo estou mexendo no meu site a mais de um ano, ele nunca está pronto, no blog eu tento ao máximo escrever 2 vezes por semana, nem sempre é possível, o problema disso é sempre o mesmo: tempo!

Mas por falta de tempo, que as empresas prospectam menos, fecham menos negócios, tem menos lucro. Por falta de tempo que se perde muita coisa. É preciso se organizar para que o tempo apareça, o dia tem 24h para todo mundo.

Falamos pouco de SEO aqui, isso será um tema para um próximo post, mas saiba que tudo o que tem conteúdo, tem o SEO atrelado. No final, o que temos é uma estratégia de marketing com uma engrenagem muito clara, cada ponto é importante para que o outro dê resultado. O SEO ajuda o conteúdo, que depende das plataformas para ser divulgado, que depende da mídia para impulsionar, que depende do site para ter um local seguro de conhecimento, que precisa de conteúdo…

 

 

 

 

Felipe Morais
Felipe Morais
Publicitário, apaixonado por planejamento digital. Começou a carreira, em 2001, atuando como redator publicitário, passando, em 2003 para a área de planejamento digital, onde atua até hoje, sendo reconhecido como um dos grandes nomes do mercado no Brasil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *